o alcance do que não se adivinha

28.11.10

E agora? Como se escreve sobre aquilo que não se sabe? Que não se entende? Que só se sente e de que se sabe apenas que tem de estar certo porque o sinto certo? Porque a sinto certa? Sim, que ela encaixa em mim como um anel num dedo. Ela está certa em mim. Eu é que não estava em muita coisa.

Comments

2 Responses to “o alcance do que não se adivinha”
Post a Comment | Enviar comentários (Atom)

Leonor disse...

A escrita, muitas vezes, cresce a partir de sentimentos. Se sentes algo com sendo certo é isso que escreves. Temos muito poucas certeza. Sentimos imenso. O que não se sabe, imagina-se, e quanto mais sentimos, e mais ignoramos racionalmente, mais se agigantam fantasmas e/ ou cavaleiros. Nós inventamo-los. E isso é, muitas vezes, a matéria de que muitos amores (pouco felizes porque pouco claros), são feitos.

28 de novembro de 2010 às 02:08
Anónimo disse...

Toda a arte (e isto sem pretensiosismos de escritora, que não tenho) nasce da irracionalidade, ou é apenas um exercício. E há amores felizes?

Yemanjá

8 de dezembro de 2010 às 00:34

Enviar um comentário